Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2009

Pequenas coisas

Orquídea

 (foto minha)
 

 
 

Falar do trigo e não dizer
o joio. Percorrer
em voo raso os campos
sem pousar
os pés no chão. Abrir
um fruto e sentir
no ar o cheiro
a alfazema. Pequenas coisas,
dirás, que nada
significam perante
esta outra, maior: dizer
o indizível. Ou esta:
entrar sem bússola
na floresta e não perder
o rumo. Ou essa outra, maior
que todas e cujo
nome por precaução
omites. Que é preciso,
às vezes,
não acordar o silêncio.
 
Albano Martins

 
 


escrevinhado por MT-Teresa às 07:28
link do post | comentar | favorito
partilhar
Sábado, 29 de Março de 2008

Primavera tardia

 

Óleo de Salvador Dali

 

Acordo com os sonhos a pesar-me na memória.
Não abro os olhos.
Não quero ver a cor do silêncio que inundou o quarto.
Não ouço os pássaros, como em manhãs de outras Primaveras,
E as flores que tenho presas na alma, ainda não abriram.
Adormecidas, nos sonhos que persisto em sonhar.
 
Talvez vá mergulhar-me no mar, e lave a solidão
Desta manhã que me humedeceu o olhar.
Talvez as flores se alegrem com a brisa da tarde,
E as árvores me ofereçam folhas de amor.
 
Talvez...
Sinta os teus passos a percorrer o jardim,
E em cada pétala caída pressinta o teu corpo
A desfazer-se em saudade.
 
 
[  A solidão já não devia surpreender-me ]
 

escrevinhado por MT-Teresa às 09:18
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
partilhar
Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

A Noite na Ilha

 

Dormi contigo a noite inteira junto do mar, na ilha.
Selvagem e doce eras entre o prazer e o sono,
entre o fogo e a água.
Talvez bem tarde nossos
sonos se uniram na altura e no fundo,
em cima como ramos que um mesmo vento move,
embaixo como raízes vermelhas que se tocam.
Talvez teu sono se separou do meu e pelo mar escuro
me procurava como antes, quando nem existias,
quando sem te enxergar naveguei a teu lado
e teus olhos buscavam o que agora - pão,
vinho, amor e cólera - te dou, cheias as mãos,
porque tu és a taça que só esperava
os dons da minha vida.
Dormi junto contigo a noite inteira,
enquanto a escura terra gira com vivos e com mortos,
de repente desperto e no meio da sombra meu braço
rodeava tua cintura.
Nem a noite nem o sonho puderam separar-nos.
Dormi contigo, amor, despertei, e tua boca
saída de teu sono me deu o sabor da terra,
de água-marinha, de algas, de tua íntima vida,
e recebi teu beijo molhado pela aurora
como se me chegasse do mar que nos rodeia. 
 
Pablo Neruda 

 


escrevinhado por MT-Teresa às 07:46
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
partilhar
Sábado, 29 de Dezembro de 2007

Tempo

Fotografia de Jonas Valtersson

 
Pássaro azul nas mãos do tempo

Musa florida na Primavera dos sentidos

Olhos d'água a escorrer desejos         Amores

Passados        E logo outros          a sorrir palavras

em jardins encantados e secretos

Penas feitas de silêncios            A gritar destinos

E a tecer o tempo

 

Tempo     Um ano    Uma vida

Um caminho

 

 

 


escrevinhado por MT-Teresa às 22:04
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
partilhar
Domingo, 4 de Novembro de 2007

Mar de Silêncios

Quadro de Jurgen Gorg
 
 
O teu jardim
onde eu dançava, encantada,
 ao sabor do teu vento enamorado
deixou-me um travo doce
 que adivinho desde que existo
 e que provei em ti
 
A tua alegria
 uma corrente mágica a prender-me
 onde os risos puros da infância
que eu julgara perdidos
me eram devolvidos
 
O teu amor
envolvia-me em caricias de sóis
abrasadores
a irromperem das manhãs
do teu corpo 
 
Contigo...
 fui mar fogoso
porto de serenidade e loucura
espaço de apenas dois barcos
 de velas escarlate
e luas azuis
que eram os nossos corpos
apaixonados
e os nosssos olhos
semicerrados
 
mas
 
sem o teu sorriso
e a tua luz 
seco lentamente
 no mar de silêncios
que me deixaste
 
 
 
MT-Teresa
( 5Set07 e 04Nov07) 
 


escrevinhado por MT-Teresa às 19:44
link do post | comentar | favorito
partilhar
Quinta-feira, 18 de Outubro de 2007

O peso da memória

 

 

Pintura de António Peticov

 
Era uma noite igual a tantas outras.

Entrou na sala onde apenas se via a luz do pequeno candeeiro sobre a escrivaninha. O resto da casa estava às escuras com a excepção do hall de entrada que ela tinha por hábito deixar iluminado, para lhe dar a sensação de que morava ali mais gente.

 

Acendeu uma vela aromática para disfarçar o cheiro do tabaco e começou a escrever na tentativa de aliviar a melancolia que se começava a apoderar dela. No silêncio esmagador da sua solidão, apenas se ouvia o som das  teclas do computador  sob os seus dedos.

 
 

Não esperava visitas e certamente ninguém lhe iria bater à porta. Estava sozinha como na maioria das noites da semana, mas naquele momento tudo lhe era pesado.

Aquela, era uma daquelas noites em que precisava de ouvir dizer: Amo-te.

Fechou os olhos e imaginou-se a subir uma escada que a levasse para um mundo encantado onde os silêncios fossem leves, as palavras verdadeiras e as pessoas permanecessem para todo o sempre.

 

Um mundo onde a palavra "partida" não fosse conhecida.

 

 

 

 


 

MT-Teresa

(18/10/07)

 

 


escrevinhado por MT-Teresa às 22:33
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
partilhar
Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

A Rosa mais rara

.
Esconde-me como se eu fosse a rosa mais rara do teu jardim
Adoça os espinhos que me nasceram na alma
Abre trilhos de ternura na raiz dos meus sentidos
Procura o sol da minha seiva desordenada
 
 
Depois...ao descobrires as minhas pétalas
Pelo tempo desbotadas 
Guarda-as na caixa dos teus sonhos impossíveis
Como se pérolas fossem
E escuta as palavras proibidas
A quebrar os meus silêncios d'água
.
MT
.
.
neste momento estou: florida

escrevinhado por MT-Teresa às 07:51
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
partilhar
Quarta-feira, 26 de Setembro de 2007

Bom dia

 

.

 

"O silêncio é a mais perfeita expressão do desprezo"

(Bernard Shaw)

 

.....

Será...?

.

neste momento estou: a acordar

escrevinhado por MT-Teresa às 07:33
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
partilhar
Quinta-feira, 20 de Setembro de 2007

Porque os beijos...

 

Quadro de Yurgen Gorg

 

.

  

Às vezes, as palavras só existem porque os beijos se ausentam.

.

 

 

 

neste momento estou: silenciosa

escrevinhado por MT-Teresa às 21:08
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
partilhar
Segunda-feira, 4 de Dezembro de 2006

Os silêncios II (Parem as palavras)

 

Parem as palavras
que se soltam,
os versos
que se escrevem,
os cantos
que se ouvem.
P'ra falar de amor
só é verdadeiro
o olhar
mais, não quero  
 
Da minha janela
quero ouvir o mar
mas só o silêncio
me chega aqui
quero ver o sol
mas neste inverno
ele partiu
de mim e de ti
 
Teresa E.- 25/02/06)
neste momento estou: com todo o tempo do mundo...

escrevinhado por MT-Teresa às 20:37
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
partilhar

Os silêncios

 

É em silêncio
Que mais se ama
Porque as palavras
São pequenas
E estão gastas
É em silêncio
Que calamos a saudade
Que ainda  persiste
Na memória das coisas
Mortas e esquecidas
É em silêncio
Que dizemos adeus
Nas partidas e ausências
Impostas, sofridas
E não compreendidas
É em silêncio
Que os olhares se cruzam
E se reconhecem
No mesmo desejo
De se amarem um dia
E...é em silêncio
Que construímos
Todo o nosso mundo
De fantasia.
 
 
Teresa E
 
Julho06
neste momento estou: com vontade escrever

escrevinhado por MT-Teresa às 19:23
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
partilhar
Quarta-feira, 29 de Novembro de 2006

Quando me visitas

 

 "Mulher à janela" de Dali

 

 
Sei quando me visitas e, quando o fazes é para saberes de  nós.
Conheces-me tão profundamente  que quase adivinhas o que não escrevo mas ainda sinto...
Não tens a certeza  se ainda me habitas e por isso vens abrir a porta da minha memória, só para  saberes se ainda tens lugar nela.
Interrogo-me...como conseguirás saber o tempo certo da minha fuga para outras paragens.
Dizes-me simplesmente que sabes...
Mas o que me pedes, sem dizeres uma palavra, é mais do que tenho para te dar.
Teria que ser noutro tempo, noutra rua, num outro mar.
Com um poema diferente e olhares de outro amar.
Só eu sei..como teria sido fácil
Se me tivesses sabido amar...
 
Teresa E.
22/08/06

escrevinhado por MT-Teresa às 23:48
link do post | comentar | favorito
partilhar
Quinta-feira, 23 de Novembro de 2006

Silêncio, Paz ou Solidão?

 "Noite Estrelada" de Van Gogh


Chegou do emprego cansada. Era o final de uma semana de trabalho extenuante e pensou para si própria que apesar da fadiga iria ler todos os e-mails que ainda não tinha lido, abrir todas as cartas que se foram amontoando ao longo da semana, ver televisão ou simplesmente não fazer nada e ir dormir cedo.

Por volta das dez horas da noite, já estava a semicerrar os olhos e sentiu vontade de se deitar e de ler um pouco até adormecer. Aquele livro pousado na sua mesa-de-cabeceira há cerca de dois meses já a incomodava. Até era interessante, caso contrário já o teria posto de parte, mas nos últimos tempos só conseguia ler duas ou três páginas por noite.

Ao abrir um e-mail que um amigo lhe enviara, reparou num link de um site de música. Não resistindo ao apelo implícito, abriu o site e começou a ouvir...Com um sorriso pensou que este seu amigo de longa data sempre tivera bom gosto e a conhecia bem.

Deliciada, não mais sentiu o sono e o cansaço e enquanto a música soava, pegou numa caneta, em várias folhas brancas e começou a escrever.

À medida que a noite avançava, uma sensação de paz e de conforto, tomava conta dela, como há muito não acontecia. De tempos a tempos, parava, fechava os olhos e languidamente deixava que a música a invadisse, transportando-a para mundos de sonhos e fantasia, de amor e sensualidade.

Pensava nele, mas estranhamente não se sentia triste.
Pensava em todas as pessoas que tinham feito parte da sua vida.
Teve saudades dos amigos que não abraçava havia tempo, dos que já tinham partido prematuramente, dos amores que tivera, nas oportunidades não aproveitadas.

Sentia que grande parte da sua vida já tinha passado, no entanto isso não a entristeceu, antes fez com que ela entendesse, naquela noite de primavera e de repentina insónia, que queria continuar a viver intensamente todos os momentos, como aquele em que sozinha e em silêncio apenas lhe chegavam baixinho os sons da música.

Teresa E.

29/04/05


escrevinhado por MT-Teresa às 22:27
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
partilhar
Segunda-feira, 20 de Novembro de 2006

Monólogo

 

Descaradamente pergunto: -  Conheces-me?
 
Do outro lado do mundo nenhum som me chega mas eu sei que me vês e que segues a direcção dos meus olhos, quando perdida deste lado de cá, abro a janela e procuro o tal ponto luminoso no universo onde imagino que estejas.
 
Pensas que já me sabes de cor e quando digo isto é porque eu sou o que escrevo e por isso de fácil leitura para quem está atento. Nada é tão simples assim. Até mesmo eu!  
 
Deves ter caído de uma estrela e por mero acaso foi junto do sítio onde guardo o tempo passado.
Atrevo-me a pensar que  apenas ficaste um segundo, mas foi o suficiente para as memórias se libertarem.
 
E agora...que faço com elas?
 
Talvez um avião de papel...que voe...até aí!
neste momento estou:
tags:

escrevinhado por MT-Teresa às 19:09
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
partilhar
Domingo, 24 de Setembro de 2006

Veneza

 

Estava escrito na minha página do Livro de Destino,
que em 18 de Julho de 1999, eu chegaria a Veneza.
 
Era a 1ª vez que visitava Veneza e, nesse entardecer em que o sol vermelho já quase desaparecia no horizonte, reflectindo a sua luz magnífica nas águas calmas dos canais, senti a beleza, quietude e mistério daquela cidade.
 
Veneza, para mim, não será mais um nome ou um ponto no mapa.
 
Veneza será sempre a mortal inimiga dos sons verbais.
 
Inspirado em "Italian Journey"
de Johann Wolfgang von Goethe
 
Teresa E.

escrevinhado por MT-Teresa às 10:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
partilhar

Esta sou eu

segue-me

. 51 seguidores

Vivências Recentes

Pequenas coisas

Primavera tardia

A Noite na Ilha

Tempo

Mar de Silêncios

O peso da memória

A Rosa mais rara

Bom dia

Porque os beijos...

Os silêncios II (Parem as...

Os silêncios

Quando me visitas

Silêncio, Paz ou Solidão?

Monólogo

Veneza

Vivências Passadas

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Quem visito e me visita

mais comentados

14 comentários
12 comentários
9 comentários
8 comentários
7 comentários
6 comentários
4 comentários
4 comentários
2 comentários
1 comentário

últ. comentários

Eu quase choro com esse texto, é muito emocional. ...
http://relatodeumaborto.webnode.com/ Minha Histori...
Oi GENTE MEU NOME E ROSE TENHO 13 EU SO...
Chocante
oi meu nome é joice e eu to grávida ...
eu sou totalmente contra o aborto... eu tenho 15 a...
Acho o seguinte: todos cometemos erros! Com certez...
tb naum axo certo o aborto...matarem seu proprio f...
Isso e uma falta de ética. Pq... Q na hr q ...
Olá, Tenho 18 anos , minha namorada é mais nova do...
As nuvens passam, as amaçadores também. Desejo que...
JoãoDesistir nunca! Apenas deixei de escrever, mas...
Todos temos dores, sofremos. [Error: Irreparable i...
Aborto uma das piores coisas da vida,um ser apagan...
ESte blog é muito simpatico, Gostei,Miguel

tags

25 de abril(5)

abril(9)

adeus(9)

alegria(5)

amigos(30)

amizade(14)

amor(137)

aniversário(9)

ano novo(3)

arte(7)

ausência(17)

azuis(9)

beleza(7)

blog(41)

blogue(5)

café(3)

casa das flores(3)

cecilia meireles(6)

cinema(4)

cinza(3)

citação(29)

coisas simples(4)

consciência(3)

cores(3)

dança(16)

david mourão ferreira(7)

descoberta(3)

desejos(7)

desencontro(4)

dia do livro(3)

dor(4)

encontro(4)

enganos(5)

escolhas(4)

escrita(3)

espectaculo(3)

eu(12)

eugénio de andrade(5)

fado(4)

férias(5)

fernando pessoa(3)

filho(15)

fim(4)

florbela espanca(5)

flores(17)

fotografia(13)

fotos(11)

fotos minhas(4)

ilusão(3)

inquietação(3)

joaquim sustelo(4)

josé l. santos(3)

lágrimas(3)

liberdade(13)

lisboa(10)

livros(8)

lua(6)

luz(4)

mãe(7)

manhãs(4)

mar(19)

margarida(4)

maria teresa horta(4)

máscaras(5)

memória(18)

miguel torga(7)

morte(6)

mulher(9)

música(19)

natal(8)

noite(19)

olhos(4)

pai(4)

paixão(16)

páscoa(4)

paz(9)

pintura(13)

poema(117)

poemas de amor(8)

poesia(85)

portugal(5)

primavera(6)

rugby(6)

saudade(24)

silêncio(15)

sol(5)

solidão(19)

sonho(9)

sonhos(4)

sophia m breyner(18)

tango(5)

tempo(14)

trabalho(5)

triste(4)

tristeza(15)

tu(4)

veneza(4)

vida(225)

video(17)

zeca afonso(4)

todas as tags

Pesquisa

 

Favoritos

Vivências

1º Aniversário

As nossas almas

Encontro Mágico

Estrela do Mar II

A Carícia do Sol

Parabéns Filho

A Teia

Dia do Livro

O Crepúsculo

subscrever feeds