Sábado, 30 de Setembro de 2006

Blue

 

Quando acordei, fui ver as árvores e o campo, como faço todas as manhãs. A minha janela está sempre aberta e por isso o tempo nunca me surpreende. Hoje por exemplo, o meu quarto estava ainda escuro e um pouco triste, devido à ausência de sol e de luz , porque nesta manhã de Outono, Lisboa acordou cinzenta e chuvosa.
Não gosto dos dias assim. O cinzento passa do céu, directamente para mim. Pensei no significado da palavra cinzento e senti que preciso de outro termo para definir este estado de alma. Se a minha lingua materna fosse o Inglês, seria "blue".
 
Neste dias, vejo sempre umas aves brancas, no campo, em frente à minha casa. Não sei o que são, mas também não procuro saber, porque neste óasis de verde, que todas as manhãs me regala o olhar, tudo é possível, até acordar com o som dos tractores a lavrar a terra. É em Lisboa que eu vivo, mas por mero acaso, escolhi morar neste sítio que o tempo ainda não transformou por completo. Ainda tenho o verde e os pássaros que repousam aqui de vez em quando e ainda consigo ver o nascer do Sol e o sorriso da Lua cheia nas noites de Verão.
 
Nesta manhã cinzenta de Outono, em que a solidão esperava o meu acordar, gostava de partilhar a minha janela contigo. Tomaríamos o café, acabado de fazer, em silêncio consentido mas cheio de  significados e quando me olhasses, cheio de ternura e amor, o azul dos meus olhos espalharia a sua cor pelo céu e esta manhã passaria a ser radiosa e cheia de luz.
 
 
Mas tu não estás e, hoje, o meu olhar deixou de ser azul e está da cor do dia..."blue" !
Teresa E.
30/09/06
tags: , ,

escrevinhado por MT-Teresa às 11:02
link do post | comentar | favorito
partilhar
Domingo, 24 de Setembro de 2006

Veneza

 

Estava escrito na minha página do Livro de Destino,
que em 18 de Julho de 1999, eu chegaria a Veneza.
 
Era a 1ª vez que visitava Veneza e, nesse entardecer em que o sol vermelho já quase desaparecia no horizonte, reflectindo a sua luz magnífica nas águas calmas dos canais, senti a beleza, quietude e mistério daquela cidade.
 
Veneza, para mim, não será mais um nome ou um ponto no mapa.
 
Veneza será sempre a mortal inimiga dos sons verbais.
 
Inspirado em "Italian Journey"
de Johann Wolfgang von Goethe
 
Teresa E.

escrevinhado por MT-Teresa às 10:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
partilhar

Vivências

Desde que regressei, passo os dias fechada num espaço austero e estranho, onde a minha vida se vai esbatendo.

A minha força que esteve ausente de mim tanto tempo está a voltar. Só assim consigo suportar toda a rotina e toda a mudança que eu escolhi e que vão escolhendo por mim... até eu permitir...

Aprendi a fechar o meu rosto, a dizer palavras soltas e sem conteúdo, repletas de um optimismo que muitas vezes não sinto, para me proteger e poder sobreviver neste mundo de homens  ambiciosos, sedentos de poder e dinheiro e completamente desumanizados.

Aprendi que a maioria das pessoas que nos cercam, não gostam de ouvir os problemas dos outros. Gostam de pessoas sorridentes, saudáveis de corpo e espirito, vencedoras e que respondam à pergunta da praxe - como estás? - com um socialmente correcto: muito bem; cada vez melhor; sempre bem, e por aí fora. Devem ter medo que o que nos aflige os possa atingir também, um dia.

Aprendi a interpretar os sinais e por isso comecei a usar pela primeira vez na minha vida  uma máscara de contentamento moderado ( porque também aprendi que não podemos mostrar muita felicidade). Ainda estou a habituar-me  a ela. É um pouco grande e desajustada e por vezes os orificios dos olhos, mostram-me lugares maravilhosos,  rios de águas cristalinas e frescas que me fazem esquecer por breves  momentos que estou prisioneira numa caixa de cimento e vidro.

Aprendi que apesar dos tons cinzentos que me rodeiam, e dos sons da banalidade que me vão chegando, sou dona de um poder enorme que me faz viajar incólume para lugares só meus. Sítios que pinto com a paleta dos meus sonhos.

 

T.E. - 12/03/06)

tags:

escrevinhado por MT-Teresa às 10:44
link do post | comentar | favorito
partilhar

Esta noite dancei só para ti

 
 
Vesti-me de túnicas de cambraia azul, salpicadas de beijos cor de carmim e esta noite dancei só para ti.
....
 
Nunca sabes quando eu chego, por isso esperas-me  receoso e inseguro porque desconheces se a minha última visita, não terá sido a derradeira. Faz parte da ilusão que criei e na qual resvalas todas as noites e, eu sei que gostas desta incerteza que te desespera  mas que te enfeitiça cada vez mais.
 
Quando danço para ti , o toque  não é permitido. Ficas sentado nessa poltrona, em que passas muitas horas dos teus dias e olhas-me na minha dança selvagem.
 
....
 
 Já me vesti de preto e dancei um tango atrevido
 e até já valsei vestida de branco e rosa ,
 mas esta noite  em que o meu corpo,
 estava de azul vestido,
fui uma Duncan provocadora e livre,
 rodopiando á tua volta.
 
....
 
 Em certas noites, abro a porta tão mansamente que mal dás pela minha chegada. Aproximo-me silenciosamente e quando o meu perfume me denuncia,  viras-te, corres para mim e abraçamo-nos como se fosse um primeiro encontro. É aí que reside a alquimia, os nossos encontros são sempre primeiros encontros, onde nada se sabe e tudo é mistério.
 
Também existem noites, em que tu  me contas a tua vida passada, as tuas histórias  e o teu sentir. Sento-me no chão, com a cabeça apoiada no teu colo e enquanto me afagas os cabelos, eu fecho os olhos e viajo ao som da tua voz quente e calma. Nessas alturas invade-me uma sensação de paz e  o meu coração viajante. segreda-me desejos de  permanência mas que  teimo em não escutar. Se eu ficasse contigo, deixaria de ser quem sou.
 
...
 
As nossas noites são a nossa vida,
 porque com a manhã, cessa  a magia
Não sabes se volto,
 porque é assim que eu quero.
 
Apenas sabes que é à noite que eu danço só para ti!
 
Teresa E.
22/09/06
tags: ,

escrevinhado por MT-Teresa às 10:24
link do post | comentar | favorito
partilhar
Sexta-feira, 15 de Setembro de 2006

Os Meus Olhos

 
Mesmo em silêncio
Os meus olhos falam
E ditam as palavras
Que os meus lábios
Cerrados teimam
Em te esconder
Só eles me denunciam
Porque te dão
A imagem clara
Do meu sofrer
Do meu amor
Da minha solidão
 
E da maresia do
Meu olhar azul
Nascem sulcos
De água fresca
Que escavam rugas
No meu rosto de areia
 
E se não vieres 
Ficarei desfeita
Pela força do mar
Que é azul e verde
Como o meu olhar
 
Mar
(T.E.)
tags: , ,

escrevinhado por MT-Teresa às 12:19
link do post | comentar | favorito
partilhar
Quinta-feira, 14 de Setembro de 2006

Mar Amar

 
Quando me perco
de mim, de ti
ouço  o mar
sussurar p'ra mim
Mar amar
mistura doce
amarga e fria
feita de sal
no areal estendida
adormecida
Mar amar
vem desnudar-te
toda para mim
inquietas ondas
vêm esperar-te
sou o teu fim
sereno e puro
sono profundo
Mar amar
perdida por ti
mergulho cega
porque é assim
corrente forte
renasço enfim
Teresa E.
2005
tags: ,

escrevinhado por MT-Teresa às 18:25
link do post | comentar | favorito
partilhar

Esta sou eu

segue-me

. 51 seguidores

Vivências Recentes

Despedida

Se eu pudesse...Mãe!

Maio

Dia Mundial da Dança

A Realização de um sonho

Os Livros e o 25 de Abril

Dia da Terra

Ilusão

Inevitável

Meu Filho

A Eterna Juventude

Flores rubras em Abril

Flores de Páscoa

Deixa-me Voar ...

De novo as flores

Mãe

As Fadas

Poesia Eterna

Primavera

Quanto, quanto me queres?

Sem Título

Ilustração de um dia

Pequenas coisas

Diz-me espelho meu...

O Amor

Os chapéus de chuva de Cl...

Saber viver

Nenúfares

A minha Mãe

Feliz Ano Novo

É Um Sol de Inverno

O Natal e a Caixinha de M...

Ó Poesia sonhei que fosse...

E por vezes ...

Lisboa: Janela aberta par...

Tempos difíceis

Vinicius

Coisas Simples

Vegetal e Só

Amália Eterna

Vivências Passadas

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Quem visito e me visita

mais comentados

33 comentários
27 comentários
24 comentários
23 comentários
22 comentários
21 comentários
21 comentários
19 comentários
18 comentários
18 comentários
17 comentários
17 comentários
17 comentários

últ. comentários

Eu quase choro com esse texto, é muito emocional. ...
http://relatodeumaborto.webnode.com/ Minha Histori...
Oi GENTE MEU NOME E ROSE TENHO 13 EU SO...
Chocante
oi meu nome é joice e eu to grávida ...
eu sou totalmente contra o aborto... eu tenho 15 a...
Acho o seguinte: todos cometemos erros! Com certez...
tb naum axo certo o aborto...matarem seu proprio f...
Isso e uma falta de ética. Pq... Q na hr q ...
Olá, Tenho 18 anos , minha namorada é mais nova do...
As nuvens passam, as amaçadores também. Desejo que...
JoãoDesistir nunca! Apenas deixei de escrever, mas...
Todos temos dores, sofremos. [Error: Irreparable i...
Aborto uma das piores coisas da vida,um ser apagan...
ESte blog é muito simpatico, Gostei,Miguel

tags

25 de abril(5)

abril(9)

adeus(9)

alegria(5)

amigos(30)

amizade(14)

amor(137)

aniversário(9)

ano novo(3)

arte(7)

ausência(17)

azuis(9)

beleza(7)

blog(41)

blogue(5)

café(3)

casa das flores(3)

cecilia meireles(6)

cinema(4)

cinza(3)

citação(29)

coisas simples(4)

consciência(3)

cores(3)

dança(16)

david mourão ferreira(7)

descoberta(3)

desejos(7)

desencontro(4)

dia do livro(3)

dor(4)

encontro(4)

enganos(5)

escolhas(4)

escrita(3)

espectaculo(3)

eu(12)

eugénio de andrade(5)

fado(4)

férias(5)

fernando pessoa(3)

filho(15)

fim(4)

florbela espanca(5)

flores(17)

fotografia(13)

fotos(11)

fotos minhas(4)

ilusão(3)

inquietação(3)

joaquim sustelo(4)

josé l. santos(3)

lágrimas(3)

liberdade(13)

lisboa(10)

livros(8)

lua(6)

luz(4)

mãe(7)

manhãs(4)

mar(19)

margarida(4)

maria teresa horta(4)

máscaras(5)

memória(18)

miguel torga(7)

morte(6)

mulher(9)

música(19)

natal(8)

noite(19)

olhos(4)

pai(4)

paixão(16)

páscoa(4)

paz(9)

pintura(13)

poema(117)

poemas de amor(8)

poesia(85)

portugal(5)

primavera(6)

rugby(6)

saudade(24)

silêncio(15)

sol(5)

solidão(19)

sonho(9)

sonhos(4)

sophia m breyner(18)

tango(5)

tempo(14)

trabalho(5)

triste(4)

tristeza(15)

tu(4)

veneza(4)

vida(225)

video(17)

zeca afonso(4)

todas as tags

Pesquisa

 

Favoritos

Vivências

1º Aniversário

As nossas almas

Encontro Mágico

Estrela do Mar II

A Carícia do Sol

Parabéns Filho

A Teia

Dia do Livro

O Crepúsculo

subscrever feeds